Na Passada sexta-feira, no jornal Correio da Manhã, esta noticia, saiu e é de louvar aos céus, no entanto,apesar de nos revoltar, a lei estava do lado da mãe, o pai é que teria de se ter precavido e ter tomado as medidas para que a situação não tivesse acontecido.

A noticia fica aqui:

“O menino chorou, gritou e esperneou para não ir com a mãe, mas a lei está do lado dela”, contou ao CM Jorge Ribeiro, inconformado ao ver o filho partir para França, depois de ter estado dois anos com o menino.

Ontem, à porta da esquadra da PSP da Foz, no Porto, a entrega forçada do menor de nove anos à mãe foi dramática. Helena, mãe do menino, fez cumprir o acordo feito com Jorge há dois anos, quando o casal se separou: o filho ficaria à guarda da mãe. Contudo, entregou o menino ao pai e foi viver para França. “A mãe poucas vezes o visitou. O menino quer ficar comigo”, afirmou Jorge.

Segundo o pai, já este ano houve duas tentativas de entrega do menor à mãe, que não foram concretizadas devido à resistência da criança. Ontem, Helena seguiu as instruções da ordem judicial que obriga à entrega, “independentemente do menor chorar, gritar ou espernear”. Perante os gritos e desespero do menino, foi chamado apoio psicológico do INEM para mediar o conflito à porta da esquadra. “Não se faz isto a uma criança que já está traumatizada”, dizia, a chorar, Jorge Ribeiro. “Não vou desistir do meu filho. Vou lutar por ele em tribunal”, garantiu. O CM tentou, sem êxito, falar com a mãe da criança.”

 

Uma duvida me surge aqui, o porque das mães quando fazem, estas desgraças, depois não querem falar e explicar-se perante a opinião publica as razões das atitudes que tomam? Ou será que só falam quando é para denegrir a imagem e o bom nome dos pais?

Fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/menor-aos-gritos-retirado-ao-pai

Anúncios