Obrigado,

Obrigado por quando nasceste, me teres agarrado o meu dedo indicador, obrigado por me teres reconhecido sempre. Mesmo quando dormias no meu peito após te dar o biberão ou quando acabavas de mamar.

Quando nasceste, a felicidade invadiu o meu ser, apesar de tudo o que a tua mãe te fez quando ainda estavas na barriga dela, e de tudo o que ela me fazia.

Eu aprendi, e com o coração partido por te deixar entregue a fera, afastei-me dela, nunca de ti, luto e hei-de lutar sempre por ti, pelo teu sorriso, pela tua forma como me chamas pai, e me das “graxa” quando queres alguma coisa.

Quero te ajudar a seres feliz, a teres o que não tive e a te entregar todas as armas de forma a enfrentares o amanhã incerto do mundo com um sorriso nos labios, esse mesmo sorriso de criança com que premeias todos os que te conhecem. Sabendo que se caires eu te ensinei a te levantares novamente, contra todas as probabilidades. Assim eu saberei que tudo o que fiz, foi o meu dever de ser teu pai, teu amigo e que cumpri o que mais desejo, a tua felicidade.

Adoro-te filho, até sexta.

Vamos brincar este fim de semana e sermos por uns dias felizes os dois!!

Anúncios